segunda-feira, junho 11, 2007

E tenho uma amiga que foi ao Alive. E essa amiga conseguiu a proeza de chorar durante uma hora e meia durante o concerto de Smashing Pumpkins. Vá que não estava na primeira fila, nem era loira nem pensava que era a D’Arcy e por isso não ficou conhecida como aquela rapariguinha que, ou estava de mal com a vida ou já tinha estado ou pressentia que para estar mal iria faltar muito pouco tempo. Essa rapariguinha irritante que aparecia no ecrã reunia toda a tristeza ou melancolia ou saudosismo que existe na música dos Pumpkins e no corpo de, pelo menos, três pessoas que estavam naquele recinto, àquela hora. Três pessoas com histórias de vida diferentes que um dia se cruzaram. Uma dessas pessoas é a minha amiga. Outra é amiga da minha amiga. Outra não gosta que eu fale dela. Vou apenas dizer que tenho uma amiga que bateu as mesmas palmas ao som das mesmas músicas, mas agora, só agora as percebeu bem. Porque as palmas eram as mesmas, mas desta vez os braços abanavam ameaçando os primeiros sinais de flacidez, porque as músicas, as letras eram as mesmas mas nós estamos diferentes. Naquela noite éramos pessoas diferentes.

E NESTA FOI O DILÚVIO.

Time is never time at all
You can never ever leave without leaving a piece of youth
And our lives are forever changed
We will never be the same
The more you change the less you feel

Believe, believe in me, believe
Believe that life can change
That youre not stuck in vain
We're not the same,
we're different tonight
Tonight, so bright
Tonight

And you know you’re never sure
But you’re sure you could be right
If you held yourself up to the light
And the embers never fade in your city by the lake
The place where you were born

Believe, believe in me, believe
Believe in the resolute urgency of now
And if you believe there’s not a chance tonight
Tonight, so bright
Tonight

We'll crucify the insincere tonight
We'll make things right,
we'll feel it all tonight
We'll find a way to offer up the night tonight
The indescribable moments of your life tonight
The impossible is possible tonight
Believe in me as I believe in you,
tonight

E espero que a rapariguinha loira da primeira fila não queira ser como a D’Arcy em tudo… porque a baixista com mais pinta da história do Rock (ok, a Melissa também tem um ar engraçado) só não está de volta porque como a descreve Billy Corgan é “mean spirited drug addict”. O concerto teve uma ligação qualquer com o divino. Ai teve, teve.

5 comentários:

angelofpromise disse...

No comments... ao texto e à vontade que tive de ter estado presente ao lê-lo.

Ana Moreira disse...

Foi um momento breathtaking... não me importo que as pessoas n sintam como nós... ainda me sinto mais especial por ver naquela banda o que muitos não compreendem!!!
Chorei... porque tal como a tua amiga ela emocionou-se cantou e bateu as mesmas palmas... só que diferentes!

wednesday disse...

Nas palmas os sentimentos de cada um... Vim aqui ter porque ouvi o programa da rádio comercial e também tenho muitas amigas que... Irei voltar, parabéns...

by Mr. X disse...

Eu tambem lá estive, mas realmente como a loura lá da frente não vi ninguem, essa já nem lágrimas tinha. se queres a minha opinião sincera, estava á espera de mais
eu e muitos...







... mas eh sempre bom :)

Ana Moreira disse...

oh pa escreve....