domingo, outubro 22, 2006

Tenho uma amiga que acordou com Billie Holiday. Não sabia muito bem se tinha acordado numa casa estranha, numa cama estranha ou num corpo estranho. Estranhou “When You’re Smiling” cantado por Billie Holiday, mas reconheceu o leitor de “cêdês”, era o dela. O corpo também. Mas ela nunca mais foi a mesma. Acordou diferente. Fez as pazes com a chuva, e como chovia Meu Deus! Descobri que a relação que as pessoas têm com a chuva faz ligação directa com a relação que têm com a sua própria vida. Já repararam que quando se está acompanhado, em pleno acto de ronha romântica, a chuva parece um acontecimento divino, uma asa do cupido. Os amantes abraçam-se mais e olham a chuva-pasmados!-como se trouxesse respostas para um futuro a dois, como se confirmasse a eternidade daquele amor. “Olha que bonito, está a chover lá fora!”. E aqui é que está. É tudo muito bonito quando só chove lá fora. Quando é um acontecimento exterior. Como se fizéssemos troça do tempo que faz lá fora, que é tão contrário ao tempo que faz cá dentro, “está-se tão bem cá dentro, está quentinho”. Mas Ai de que chova para alguém que está mal! Se for num domingo então! Nunca, não pode, é proíbido, corrói. Chove lá dentro também. É o grande problema. E a chuva que chove lá dentro teima em sair cá para fora, feita pranto que é capaz de durar uma tarde toda. Mas já não para ela. Já não chove lá dentro. Acordou no mesmo corpo, com o mesmo leitor de “cêdês”, mas a música é outra e ela nunca mais vai ser a mesma. Fez as pazes com a chuva. E ri alto e bom som. E canta (muito mal coitadinha):

When you're smilin'
When you're smilin'
The whole world smiles with you.
And when you're laughin'
When you're laughin'
The sun comes shinin' through.


Lá fora chove. Cá dentro o Sol brilha ;)

1 comentário:

Ana Moreira disse...

Bonito....bonito...
quero dançar à chuva também! Quando for a minha vez... falamos!!
:)